Logo

Saltos e tiros: treinando a potência do jeito correto.

48 inch box jump scaled 1000

 

Tenho visto ultimamente uma grande quantidade de treinadores e preparadores físicos utilizando saltos e tiros em seus programas de exercícios, com ointuito de aumentar a potência de seus alunos/atletas.

Quando vejo o "estado" em que se encontra o sujeito treinado ao final da sessão (completamente fadigado) fico confuso com o real objetivo da sessão. Não era para ser um treino de velocidade? De potência? Artifícios como saltos, tiros e subidas em escadarias estão entre os principais exercícios utilizados para desenvolver tal capacidade (pelo menos tenho visto esses como os mais utilizados), em especial nos membros inferiores. Além disso, mesmo o pessoal que busca por hipertrofia tem realizado tal modelo de exercícios (bad idea!!!). Será?

As questões aqui são: 1) esse volume de treinamento está adequado? 2) é realmente necessária a utilização de exercícios de potência (principalmente os que citei aí em cima) no treinamento de qualquer pessoa?

Para elucidar tais questões vou postar aqui o comentário do prof. Dr. Donald Chu (http://www.donchu.com/home_page/), um dos maiores especialistas em treinamento pliomético nos EUA (senão o maior) a respeito do volume e intensidade dos exercícios de potência:

"O treinamento com saltos é extremamente exigente, sendo necessário controlar seu volume. O treinamento pliométrico é frequentemente medido pela contagem de contatos do pé no solo. O volume recomendado de saltos específicos em qualquer sessão de treino irá variar com a intensidade e objetivos. Um iniciante em um único treino no off-season poderia fazer de 60 a 100 contatos de baixa intensidade. O atleta intermediário pode ser capaz de fazer 100 a 150 contatos de baixa intensidade e outros 100 de intensidade moderada . Um atleta avançado pode ser capaz de fazer 150 a 200 contatos de intensidade baixa a moderada. Saltos simples e saltos múltiplos são um exemplo de uma intensidade moderada de exercício pliométrico . Saltos sobre plintos e saltos de profundidade são exemplos de exercícios de uma intensidade mais elevada e os contatos dos pés devem ser cuidadosamente monitorizados. O tempo de recuperação entre as séries deve permitir a recuperação máxima para os músculos. Por conseguinte, os intervalos de descanso mais longos são necessários (45-60 segundos entre cada salto). A relação de trabalho de 01/05 e 01/10 (período de exercício/período de descanço; ex.: se o exercício levou 5seg o descanso deve levar de 25 a 50seg) adequadas para garantir a execução adequada e intensidade do exercício."

Deste modo, um treino completo deveria durar de 10' a 20' para quem está iniciando este modelo de treinamento e de 20'a 30' para quem está em um nível mais avançado. Mas vejo pessoas realizando treinos que duram horas! Será que isso é realmente necessário? E principalmente... ÚTIL?

 

Siga-me nas redes sociais.  Cadastre-se aqui no blog e receba as atualizações.

Canal do Youtube: Professor Ricardo Martins de Souza

Facebook: facebook.com/exercícioresistido

Instagram: @dr.ricardo.souza

WebSite: ricardosouza.pro.br

Quer mais informações sobre cursos de capacitação técnica e profissional para você e os professores de sua academia? Procura uma assessoria on-line e presencial para a montagem de seus treinamentos? Entre em contato!

e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

blog comments powered by Disqus