Logo

Fascíte plantar e esporão são relativamente comuns entre corredores. Entenda porque eles aparecem e o que fazer para evita-los.

Se você corre, já teve ou vai ter dor embaixo do pé, próximo ao calcanhar. Se não for com você, com certeza vai ser com alguém que você conhece. E não era pra acontecer. Leia aqui como evitar o problema.

Fascíte plantar e esporão são relativamente comuns entre corredores. Entenda porque eles aparecem e o que fazer para evita-los.

Dor no calcanhar ou na sola do pé é muito mais comum do que você imagina. Aproximadamente 1 em cada 10 pessoas vão ter esse desconforto pelo menos uma vez na vida. Nos EUA, 1% das visitas ao ortopedista são por esse problema e o custo com o tratamento é de ~US$284milhões/ano.

O que existe na sola do meu pé?

Antes de qualquer coisa precisamos de uma aula bem rápida e básica de anatomia da sola do pé.

Arco plantar ossos

Os ossos do nosso pé formam um arco, o arco plantar, que devem estar organizados da mesma forma como a figura aí em cima mostra. Esse arco é sustentado pelos ligamentos e músculos que existem no pé.

Alterações nas funções e formas desses músculos e ligamentos podem alterar a forma do arco plantar e levar a alterar a forma com que o pé entra em contato com o solo. Quem leu meu ultimo post já sabe disso.

Uma das estruturas mais importantes para a manutenção do correto arco plantar é a fáscia plantar. Ela se estende da parte anterior do osso do calcâneo, segue por toda a parte inferior do pé, se divide e se insere no começo de cada um dos 5 dedos.

Essa fáscia age como um cabo que prende a parte de trás na parte da frente do pé, ajuda na manutenção do arco e age como acumuladora de energia elástica, o que pode ser bem útil em atividades dinâmicas como a corrida.

E porque aparece a dor?

Essa dor é causada por diversos motivos, que vão desde desequilíbrios mecânicos até alterações fisiológicas.

Pra quem corre, na grande e esmagadora maioria das vezes (vamos dizer em mais de 98% dos casos) isso se deve a problemas de ordem mecânica.

Esses problemas estão geralmente associados ao excesso de estresse e/ou a uma aplicação desequilibrada de forças ao redor dessa região.

Essas forças podem levar a microfraturas no osso do calcâneo e degeneração na região abaixo dele, além de lesões na fáscia plantar. O local onde essas lesões ocorrem possui várias terminações nervosas, e assim a compressão dos nervos que existem nessa região acabam causando forte sensação de dor.

Essa dor é mais intensa nas primeiras horas da manhã e vão reduzindo de intensidade ao longo do dia, apesar de estarem sempre presentes.

heel pain

E o que fazer pra continuar correndo?

Como no caso de corredores a causa das lesões está associada a dois fatores, e que normalmente estão presentes em conjunto, o excesso de impacto e a falta de flexibilidade (principalmente falta de capacidade de flexão) ao redor do tornozelo, esses são os problemas que devem ser solucionados.

Um volume exagerado de impactos na parte posterior do pé podem levar ao aparecimento de pequenas fraturas que podem conduzir ao quadro de dor.

Uma das formas de reduzir isso é diminuir o volume de treinamentos e optar por correr de forma com que os impactos sejam reduzidos.

Isso pode ser conseguido com a troca do calçado por um mais macio e a troca do terreno (de asfalto para grama, por exemplo).

Porém a mais eficiente das estratégias é a readequação da técnica de corrida, modificando a forma com que o pé “ataca” o solo, deixando de tocar o chão com o calcanhar e começando a fazer isso com o meio ou a ponta do pé.

Isso reduz de forma drástica o volume e intensidade de impacto sofrido pelo calcanhar.

Outro fator fortemente associado a esse tipo de dor é a falta de flexibilidade ao redor do tornozelo, principalmente dos músculo da panturrilha e do tendão do calcâneo (tendão de Achiles).

Se você observar a figura abaixo você vai ver que a fáscia “puxa” o osso do calcanhar para a frente do pé (seta vermelha). O tendão do calcâneo faz exatamente o contrário. Quando você corre, ele gera força para você estender o tornozelo, puxando o calcâneo para trás e para cima (seta preta).

Isso significa que em cada passo que você dá existe uma “briga” entre essas duas forças.

force on foot running

Se o tendão não flexível o suficiente para suportar e dissipar os milhares de estresses sofridos durante uma corrida de poucos minutos ele começa a transferir parte desse estresse para a fáscia.

Como ela é muito mais delgada e frágil que o tendão, acaba sofrendo e desenvolvendo os problemas que eu falei lá em cima.

Por isso, realizar exercícios de alongamento que mantenham a flexibilidade da panturrilha são fundamentais para evitar esse tipo de problema. Se você já tem esse quadro de dor, realizar alongamentos é ainda mais importante, pois é assim que você vai conseguir reduzir os sintomas.

É claro que tudo isso que eu escrevi tem um caráter informativo e antes de qualquer atitude um médico especialista deve ser consultado. Não faça nada por conta própria. Procure um profissional capacitado.

 

Se depois da consulta médica você precisar de ajuda para a montagem de um programa de exercícios que vai te ajudar a lidar com o problema, entre em contato: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Link do artigo (precisa estar cadastrado no research gate):

 

Andrew J. Rosenbaum, John DiPreta, David Misener, B. Plantar Heel Pain. Med Clin North Am.  2014 Mar;98(2):339-52.

https://www.researchgate.net/publication/259577770_Plantar_heel_pain

blog comments powered by Disqus